sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Fé Consciente

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Mensagem da Semana


Quem serve a Deus é injustiçado e caluniado. Quem serve a si mesmo é 'admirado'. Vamos ver quem sai ganhando...

Bispo Edir Macedo

sábado, 8 de agosto de 2009

Talvez você olhou este texto com pressa e nem ligou...

É, o tempo de Deus é diferente do nosso.

Não angustieis, pois somente Ele sabe a hora de tudo e por mais difícil que nos seja suportar. Amém.

É de arrepiar! Salmos 100.4(Para os que não crêem é uma excelente história).

Na quinta feira, dia nove, entre uma reunião e outra, o empresário aproveitou para ir fazer um lanche rápido em uma pizzaria na esquina da Rua Yafo com Rua Mêlech George, no centro de Jerusalém.

O estabelecimento estava superlotado e logo ao entrar na pizzaria, Moshê percebeu que teria que esperar muito tempo numa enorme fila, isso é, se realmente desejasse comer alguma coisa – mas ele não dispunha de tanto tempo.

Indeciso e impaciente pôs-se a ziguezaguear por perto do balcão de pedidos, esperando que alguma solução caísse do céu. Percebendo a angústia do estrangeiro, um israelense perguntou-lhe se ele aceitaria entrar na fila na sua frente. Mais do que agradecido, Moshê aceitou. Fez seu pedido, comeu rapidamente e saiu em direção à sua próxima reunião.

Menos de dois minutos após ter saído, ele ouviu um estrondo aterrorizador. Assustado, perguntou a um rapaz que vinha pelo mesmo caminho que ele acabara de percorrer, o que acontecera. O jovem disse que um homem-bomba acabara de detonar uma bomba na pizzaria Sbarro`s. Moshê ficou branco. Por apenas dois minutos ele escapara do atentado. Imediatamente lembrou do homem israelense que lhe oferecera o lugar na fila. Certamente ele ainda estava na pizzaria.

Aquele sujeito salvara a sua vida e agora poderia estar morto.

Atemorizado, correu para o local do atentado para verificar se aquele homem necessitava de ajuda. Mas encontrou uma situação caótica no local. A Jihad Islâmica enchera a bomba do suicida com milhares de pregos para aumentar seu poder destrutivo. Além do terrorista, de vinte e três anos, outras dezoito pessoas morreram, sendo seis crianças. Cerca de outras noventa pessoas ficaram feridas, algumas em condições críticas.

As cadeiras do restaurante estavam espalhadas pela calçada. Pessoas gritavam e acotovelavam-se na rua, algumas em pânico, outras tentando ajudar de alguma forma. Entre feridos e mortos estendidos pelo chão, vítimas ensangüentadas eram socorridas por policiais e voluntários.

Uma mulher com um bebê coberto de sangue implorava por ajuda. Um dispositivo adicional já estava sendo desmontado pelo exército. Moshê procurou seu ’salvador’ entre as sirenes sem fim, mas não conseguiu encontrá-lo. Ele decidiu que tentaria de todas as formas saber o que acontecera com o israelense que lhe salvara a vida.

Moshê estava vivo por causa dele. Precisava saber o que acontecera, se ele precisava de alguma ajuda e, acima de tudo, agradecer-lhe por sua vida. O senso de gratidão fez com que esquecesse da importante reunião que o aguardava.

Ele começou a percorrer os hospitais da região, para onde tinham sido levados os feridos no atentado. Finalmente encontrou o israelense num leito de um dos hospitais. Ele estava ferido, mas não corria risco de vida. Moshê conversou com o filho daquele homem, que já estava acompanhando seu pai, e contou tudo o que acontecera. Disse que faria tudo que fosse preciso por ele. Que estava extremamente grato àquele homem e que lhe devia sua vida.

Depois de alguns momentos, Moshê se despediu do rapaz e deixou seu cartão com ele. Caso seu pai necessitasse de qualquer tipo de ajuda, o jovem não deveria hesitar em comunicá-lo.

Quase um mês depois, Moshê recebeu um telefonema em seu escritório em Nova Iorque daquele rapaz, contando que seu pai precisava de uma operação de emergência. Segundo especialistas, o melhor hospital para fazer aquela delicada cirurgia fica em Boston, Massachussets. Moshê não hesitou. Arrumou tudo para que a cirurgia fosse realizada dentro de poucos dias.

Além disso, fez questão de ir pessoalmente receber e acompanhar seu amigo em Boston, que fica a uma hora de avião de Nova Iorque.

Talvez outra pessoa não tivesse feito tantos esforços apenas pelo senso de gratidão. Outra pessoa poderia ter dito: “Afinal, ele não teve intenção de salvar a minha vida, apenas me ofereceu um lugar na fila!”

Mas não Moshê. Ele se sentia profundamente grato, mesmo um mês após o atentado. E ele sabia como retribuir um favor.

Naquela manhã de terça-feira, Moshê foi pessoalmente acompanhar seu amigo – e deixou de ir trabalhar. Sendo assim, pouco antes das nove horas da manhã, naquele dia 11 de setembro de 2001.
Moshê não estava no seu escritório no 101.º andar do World Trade Center Twin Towers.



[Relatado em palestra do Rabino Issocher Frand.]
“Entrai pelas portas d’Ele com gratidão, e em seus átrios com louvor;
louvai-o, e bendizei o seu nome.”
Salmos 100:4

Envie para outras pessoas ainda hoje.
Obs: Não ignore porque terás uma surpresa!


Retirado do site www.juventudecarioca.com.br

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

o que é aquilo ?

Perseverança



A definição da palavra perseverança é: conservar-se constante; permanecer sem mudar ou variar de intento. Existem muitas virtudes que são maravilhosas como já vimos: atitudes positivas; inspiração; planejamento e motivação, porém a perseverança é fundamental. Acreditamos que 99% da fé é perseverança, pois sem ela não existe nenhuma chance de sucesso.
- De que adianta uma atitude positiva hoje, se não se permanecer até alcançar o objetivo;
- Uma inspiração sem a perseverança para torná-la em algo concreto;
- Um planejamento, e não colocá-lo em prática;
- Estar animado hoje e desanimado amanhã.
E é justamente a perseverança que não nos deixa desistir, aí está a diferença entre as mulheres e homens de sucesso dos demais. Só como exemplo:
- Estudos mostram que o Brasil tem uma das piores taxas de abandono escolar. Segundo dados de 2006, 36.3% dos estudantes, até ao 12º ano, abandonaram os estudos;
- Apenas 43% dos que iniciaram um curso chegam a concluí-lo;
- Nas faculdades, 40% dos que se inscrevem não chegam a formar-se;
- Sem falar das pessoas que começam a aprender um idioma ou entram num concurso e desistiram no meio do caminho.
- Em relação às empresas, nos primeiros 6 meses de 2008, centenas foram consideradas falidas, ou seja, mais 39.4% que no mesmo período de 2007.
Em relação à fé não é diferente. Quantas pessoas começam um propósito e desistem? O próprio Senhor Jesus ensina que devemos dar frutos com perseverança, e em cada 4 pessoas, 3 desistem, apenas uma permanece. “A que caiu na boa terra são os que, tendo ouvido de bom e reto coração, retêm a palavra; estes frutificam com perseverança.”Lc 8.15
Todas as pessoas de sucesso, com certeza tiveram esta sublime virtude, a perseverança. Pois, é ela quem trabalha na natureza, no temperamento, e no comportamento que os vencedores necessitam, tornando-os resistentes para vencer os obstáculos. E é justamente nos momentos difíceis, em tempos de crise, que se deve perseverar. Todos têm sonhos, e coisas pelas quais anseiam, porém só os que perseveram até ao fim é que irão realizar os seus sonhos e alcançar os seus objectivos.
“Com efeito, tendes necessidade de perseverança, para que, havendo feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa.” Hb 10.36